Slide

Pesquisar

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Isaac Kolman



Isaac Kolman, O Ignacio Kolman
Imigrante da Rússia fez parte de um grupo de músicos que ajudaram a moldar a música popular brasileira nas décadas de 1930 e 1940, atuando com compositor, maestro e instrumentista. Foi integrante da Orquestra Pan American com a qual acompanhou dezenas de gravações na Odeon. Gravou na Odeon em 1927, ao saxofone, com acompanhamento do pianista Lúcio Chameck, os choros "É certo que me amas?" e "Albertina", e as canções "Simple confession", e "La cinquantaine", de sua autoria. No ano seguinte, gravou, de sua autoria, também em interpretação ao saxofone o choro "Não quero perder-te". No mesmo ano, a marcha "Auto-lotação", o samba "Língua de prata", e o fox-trot "Foi um sonho", foram gravadas na Odeon por Francisco Alves. Ainda em 1928, seu choro "Ursada" foi gravado na Odeon pelo maestro e instrumentista Romeu Ghipsman. Em 1929, teve o samba "Olhos negros" gravado por Francisco Alves. No mesmo ano o maxixe "Gosto assim" foi gravado na Odeon pela Orquestra Pan American. Em 1931, obteve sucesso no carnaval com a marcha "Puxa, puxa o cordão", lançado pela Odeon com o Trio T. B. T. Nesse ano, teve o samba "Fusuê", com Osvaldo Santiago, e a marcha "Sou do amor" gravadas por Marques da Gama na Parlophon. No ano seguinte, seu samba "Só com pai de santo" foi gravado por J. Mário na Odeon. Pouco depois, passou a dirigir a orquestra do Lido. Em 1932, gravou na Victor com sua orquestra do Lido as marchas "Juraci vem cá!", de sua autoria, e "O dia vem raiando", de Nelson Ferreira. Em 1933, acompanhou com sua orquestra do Lido a cantora Carmen Miranda na gravação da marcha "Foi você mesmo", de Joubert de Carvalho. No mesmo ano, acompanhou com sua orquestra do Lido o cantor Raul Roulien na gravação dos fox-trotes "Formar um ninho" e "Beguin", de Kernell e Raul Roulien, e "Se eu perdesse você" e "Mente por favor", de Berlin e Raul Roulien. Também em 1933, acompanhou com a orquestra do Lido, na gravadora Columbia, a gravação dos sambas "Falta de consciência", de Ary Barroso, e "Zombando da vida", de Ary Barroso e M. L. Azevedo, feitas pelo cantor Ascendino Lisboa, além de acompanhar o cantor Arnaldo Amaral nos sambas "Fita meus olhos", de Cartola e Osvaldo Vasques, e "Por que será?", de Buci Moreira e Osvaldo Vasques, e a cantora Zezé Fonseca nas marchas "Teu amor e uma cabana", de Custódio Mesquita, e "Casar não é para mim", de Alberto Ribeiro.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário